Coerência e Coesão

A coerência de um texto se refere ao sentido da leitura para quem lê, ou seja, tem a ver com a interpretabilidade e inteligibilidade daquilo que é escrito. Em outras palavras, um texto é coerente quando as ideias apresentadas fazem sentido, comunicam um entendimento de modo harmônico, unificado. Pode-se dizer que em um texto coerente todas as suas partes, ideias, afirmações, exemplos, argumentos, etc. se encaixam de modo lógico e complementar.

Para garantir-se a coerência do texto, é necessário observar os seguintes princípios: princípio da não contradição (o texto não pode conter ideias que se contradigam e prejudiquem a sua lógica interna); princípio da não tautologia (o texto não deve ficar repetindo ideias excessivamente, visto que esse vício de linguagem confunde a comunicação efetiva dos sentidos do texto); e princípio da relevância (as ideias devem ser necessárias ao sentido e apresentadas de modo completo e em diálogo entre si, sem fragmentação, isto é, sem junção aleatória de ideias desconectadas).

A coesão, por sua vez, diz respeito à ligação das ideias do texto. Trata dos mecanismos linguísticos empregados na busca pela coerência. Dito de outro modo, a coesão se refere aos mecanismos de encadeamento lógicosemântico do conteúdo apresentado. Ela é, assim, responsável por criar relações entre o que é dito, de modo a orientar o(a) leitor(a) na construção dos sentido.

A coesão pode ser articulada através de conjunções, quer dizer, pelos chamados operadores argumentativos, que são os elementos de ligação que conectam as diferentes frases e ideias.

Existem operadores argumentativos de várias ordens. Veja alguns casos:

Adição ou continuação: além disso; ademais; não só . . . mas também . . . ; também.

Causa e consequência: consequentemente; como resultado; assim; portanto; logo; em razão de; em decorrência de.

Contraste e ressalva: salvo; exceto; porém; contudo; todavia; entretanto; embora; mas; pelo contrário; em contraste.

Certeza: certamente; indubitavelmente; inquestionavelmente; evidentemente.

Condição: caso; a não ser que; a menos que.

Dúvida: talvez; provavelmente; possivelmente.

Esclarecimento: por exemplo; isto é; equivale a dizer; em outras palavras; dito de outro modo.

Relevância: em primeiro lugar; principalmente; primordialmente.

Proporção: à medida que; ao passo que.

Intenção: com o fim de; a fim de; com o intuito de; para.

Resumo (recapitulação): em suma; em síntese; em resumo; em vista disso.

Semelhança: igualmente; da mesma forma; do mesmo modo; por analogia; de acordo com; assim como.

Imprevisto: inesperadamente; imprevistamente.

Relação de tempo: imediatamente; após; agora; atualmente; frequentemente; às vezes; sempre; ocasionalmente; simultaneamente; nesse meio tempo; nesse ínterim.

Retificação: aliás; ou melhor.

A coesão também se dá por outros modos. Vejamos:

Coesão por referência: quando se faz referência a um termo dito anteriormente, evitando sua repetição excessiva ou desnecessária. Como em todos casos de coesão, é fundamental que seja absolutamente claro a qual termo a expressão se refere.

Por exemplo: Os estudos na área médica passaram por grandes transformações com o avanço da tecnologia. Eles foram contemplados com maior precisão técnica no diagnóstico de procedimentos extremamente delicados. — “Eles” refere-se a “Os estudos na área médica”.

Coesão por substituição: se dá pela colocação de um item no lugar de outro.

Por exemplo: As proteínas são fundamentais para o desenvolvimento adequado do organismo humano. Os minerais também. — A palavra “também” substitui a expressão “ser fundamental para o desenvolvimento . . .”

Coesão por elipse: quando se omite um termo, sem comprometer a clareza da ideia.

Por exemplo: O legado de Brown é relevante para a área de aquisição de uma segunda língua. Ao mesmo tempo, também contribui para estudos em educação. — O sujeito “O legado de Brown” foi omitido, mas é evidentemente o mesmo sujeito que “contribui para estudos em educação”.

Coesão lexical: se dá através da repetição ou da substituição de dada expressão por outra de igual sentido (sinônimo, hipônimo, etc.).

Por exemplo: A pesquisa foi feita observando-se o comportamento de 400 gatos, os quais foram divididos em dois grupos. O primeiro grupo de felinos recebeu o medicamento padrão, enquanto o segundo grupo de animais recebeu o medicamento novo. — As expressões “felinos” e “animais” significam, nesse caso, gatos.