Argumento e contra-argumento: Um exemplo

Aquilo que você argumenta deve ser algo que o seu leitor pode refutar, ou contra-argumentar. Ou seja, não se pode argumentar algo que é fatual. Por exemplo, dizer que o Brasil fica na América do Sul não é um argumento, pois é um fato que não se pode contra-argumentar, pelo menos dos pontos de vista geográfico e político. Outro fato seria dizer que o Brasil é o maior país da América do Sul em território.

No caso do argumento, deve existir a possibilidade de algo ser refutável. Por exemplo, algumas pessoas podem defender que o Brasil não é tão próximo culturalmente dos outros países da América do Sul, apesar de estar geograficamente localizado nesse continente e ser o país com maior extensão territorial dele. Algumas evidências que elas podem usar são que falamos uma língua diferente daquela falada na maioria dos demais países da América do Sul e que tivemos uma história colonial e um processo de independência diferentes desses demais países.

Nesse caso, a asserção feita não é fatual, pois ela pode ser contra-argumentada, novamente com base em evidências. Pode-se dizer, por exemplo, que o Brasil é sim culturalmente próximo dos demais países da América do Sul, pois existe uma proximidade e afinidade econômica do Brasil com muitos desses países, e a história recente de muitos deles é bastante próxima à nossa. Ou ainda há a possibilidade de ir mais além e levantar um terceiro ponto de vista, de que culturas são mais complexas do que simples diferenças pontuais, que envolvem processos históricos, sociais e econômicos, e que existem regionalismos e culturas mais locais, que se relacionam umas com as outras de modos complexos e não absolutos.

Portanto, nesses exemplos, temos 3 argumentos distintos, pois eles podem ser contrapostos com base em evidências.

Próxima página